História

Sonho construído em etapas

Em fevereiro de 1983, o jornal Visão Trabalhista divulgava “mais uma importante conquista” da diretoria para toda a categoria: a diretoria havia conseguido junto a Prefeitura de Osasco, então sob a gestão de Humberto Carlos Parro (PMDB), a cessão de um terreno de 22 mil m², no Jardim Rochdale.

O Sindicato, então presidido por Antonio Tosch, planejava construir no local “um centro recreativo e social com piscinas, quadras esportivas polivalentes e muitas coisas mais”, dizia a notícia, que ainda detalhava: “Uma equipe de engenheiros já está estudando o terreno para elaborar um projeto de construção que utilize os recursos naturais do lugar”.

A construção do Metalclube foi se dando por etapas. Em 1985, foi inaugurado o complexo aquático. As piscinas externas a partir daí se tornariam o espaço de lazer do trabalhador e da trabalhadora metalúrgica. Era um espaço próximo de casa e acessível, já que, até então, os sócios só contavam com a colônia de férias em Caraguatatuba, inaugurada em 10 de setembro de 1978.

Em 1986, ao lado das piscinas, era construída a cantina (hoje, lanchonete) para os sócios refrescarem o calor e baterem um papo com os amigos aos finais de semana ensolarados.

Três anos se passaram. O Sindicato já estava sob a gestão de Claudio Magrão. No mês de setembro de 1989, o Visão Trabalhista registrava que o Metalclube recebia mil pessoas ao dia e publicava as fotos das obras de construção do ginásio. No mesmo ano, o clube ganhou as quadras e as churrasqueiras.

No final daquele ano, a diretoria já dava início à construção do prédio onde funcionaria a Escola Sindical (hoje, salas de aula da Associação Eremim). Também anunciava o plano de construir um campo de bocha. Naquela época, o clube era aberto de quarta a domingo, das 9h às 18h. Hoje, o atendimento é das 6h às 22h, diariamente.

Em 1992, o clube era aberto com todo o conjunto de prédios atual: salão de festas, quadras, ginásio, piscina externa. Na época, havia duas quadras externas com piso de areia e duas de cimento.

Nessa fase, o clube ganha bastante movimentação com as atividades da categoria. Passou a ser o espaço escolhido para os Campeonatos e Torneios de Futebol Society – que ocorrem até hoje – o concurso Garota Metalúrgica (que fez muito sucesso nos anos 1990 entre as mulheres metalúrgicas) – e também um espaço de formação e de confraternização.

Construcao_Portaria_Clube-dos-Metalurgicos_10_09_85-A11.jpg
Obras_Clube-dos-Metalurgicos_10_83_C.jpg
Obras_Clube-dos-Metalurgicos_10_83_A1.jpg
Construcao_Portaria_Clube-dos-Metalurgicos_10_09_85-A1.jpg
Obras_Clube-dos-Metalurgicos_10_83_A.jpg
Construcao_Metal-Clube_B.jpg
Construcao_Metal-Clube_C.jpg
Construcao_Metal-Clube_F.jpg
Assinatura_Decreto-PMO_Cessao-de-Terreno-ao-Sindicato_08_12_82_C.jpg
Assinatura_Decreto-PMO_Cessao-de-Terreno-ao-Sindicato_08_12_82_D.jpg

O moderno clube dos metalúrgicos
A piscina interna aquecida veio em 2007, marcando uma nova fase de modernização da estrutura do clube. A água é tratada com ozônio, que evita o ressecamento da pele e causa menos riscos de alergias. Além disso, o aquecimento da água é solar, já que a sustentabilidade é uma preocupação permanente do Sindicato e do Metalclube.

Naquele mesmo ano, os sócios também ganharam novas quadras com gramados sintéticos, homologados pela Fifa, que substituíram as antigas quadras de areia, o que hoje proporciona partidas ainda mais disputadas.

A academia a cada ano ganha novos investimentos, em equipamentos e equipe, o que faz dela uma das melhores da região. Há ainda as aulas de ginástica, muitas em parceria com a Body Systems, o clube oferece um pacote completo de fitness para o metalúrgico e o sócio usuário cuidar de sua saúde e qualidade de vida.

Passados tantos anos, o clube cada vez mais é também uma referência para as atividades de lazer dos metalúrgicos e da comunidade, onde acontece a Estação Criança, Estação Mulher, assembleias, shows, campeonatos e o lugar onde o Sindicato quer que o metalúrgico e o sócio-usuário se sinta cada vez melhor.